terça-feira, 17 de junho de 2008

“Resumão do Peixão:” FLUXOS


Para que não restem dúvidas, e que vocês notem que o assunto sobre Globalização, principalmente os fluxos de capitais, tanto produtivos quanto especulativos, não são complicados quanto parecem, vai aqui uma super síntese.

Lembro a todos que essa síntese não deverá ser copiada na ficha, espero que absorvam o assunto, busquem entender sua construção.

Fluxos de capitais produtivos.

Também conhecido como investimento estrangeiro, pois estamos tratando do fluxo entre países, pois obviamente existem fluxos entre cidades, estados e regiões.
Esses investimento estrangeiros, ou externos vem crescendo principalmente desde o fim da II Grande Guerra, concomitante ao surgimento das grandes empresas/indústrias multinacionais.

Esses investimentos externos, segundo o nosso livro didático, é a face mais visível da globalização, pois se materializam em instalações industriais, redes de lojas, supermercados, lanchonetes, hidrelétricas e etc. (Lembrem-se, esta é a parte mais visível da globalização).

E por que existe tanto empenho em investir em capitais produtivos?Simples, porque esse fluxo gera riquezas e estimula o crescimento econômico, criação de empregos, aumento da arrecadação de impostos, etc. E ainda pode aumentar o volume de divisas, reservas em moeda forte, principalmente o Dólar e o Euro, caso a produção esteja voltada para a exportação, ou pelo menos parte dela.

Logo, os principais agentes do fluxo de capital produtivo são as multinacionais e as transnacionais, que vocês poderão estudar no livro, nas páginas 72 e 73 do capítulo 4*, contudo, tais empresas investem de forma diferenciada fora do seu país-sede, vimos em sala que elas podem investir em mão-de-obra barata e em grande quantidade, que não requer alta especialização, visando o incremento do lucro, e também os incentivos fiscais que os paises em desenvolvimento costumam ceder, bem como as facilidades para a exportação. E também vimos que elas instalam-se em países desenvolvidos por causa do seu amplo mercado consumidor.

Fluxos de capitais especulativos.

Conhecido também como fluxo financeiro, é o que talvez melhor represente a globalização, em razão da sua velocidade e de quantidade de circulação. Hoje é muito fácil transferir grandes quantidades de dinheiro, pois o dinheiro tornou-se eletrônico, virtual, nada mais que informação que circula em tempo real, não se sabe ao certo quanto o volume de capital que circula no mundo, estima-se em 1,5 trilhão de dólares por dia. E as possibilidades de se investir de forma especulativa são em ações, em moedas, em títulos da dívida pública, etc. Vejam no livro nas páginas 74 e 75 do capítulo 4*, o que significa especular nesse caso.

Os capitais especulativos quase não geram empregos e tendem a tornar vulnerável a economia dos países, especialmente os emergentes. Na maioria das vezes, os operadores das empresas financeiras retiram o dinheiro dos países no memento em que eles mais precisam de capital.


SUPER HYPER ULTRA MEGA COLOSSAL MONSTER DELUXE TURBO LUXO SÍNTESE "bizú":

Fluxo de capital produtivo - que tem origem em prestação de serviço ou venda de produto.


Fluxo de capital especulativo - das bolsas de valores, valorização de imóvel, circulação financeira.


Fluxo de capital - que não tem origem em prestação de serviço ou venda de produto.



* - Para aqueles que por aqui passam e não sabem o material usado por nós, é o livro, Trilhas da Geografia, de João Carlos Moreira e Eustáquio de Sene, Espaço Geográfico e Globalizado. 8ª Série, 9º ano do Ensino Fundamental.


2 comentários:

Lokopets disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laiz Fonseca disse...

Muito bom! Obrigada